Amanda espera um confronto difícil contra seu ex-clube, o Rexona-Sesc

Ingressos já a venda – Brasília Vôlei x Rexona Sesc
22 de fevereiro de 2017
PP4_BVEC_REXONA
Terracap – BRB – Brasília Vôlei x Rexona Sesc –
24 de fevereiro de 2017

Amanda espera um confronto difícil contra seu ex-clube, o Rexona-Sesc

amanda
Em fevereiro 23, 2017, em Oficiais,

No quesito eficiência de ataque, é ela quem mais ajuda o Terracap/BRB/Brasília Vôlei nesta Superliga, somando 20.55% de eficiência. No ranking geral de maiores pontuadoras é a nona, com 221 pontos marcados. Não é só no passe que a ponteira Amanda Campos, de 28 anos, tem se destacado no Terracap/BRB/Brasília Vôlei. Vivendo um dos melhores momentos da carreira, Amanda enfrentará seu ex-clube, o Rexona-Sesc, nesta sexta-feira (24), às 21h30, no Ginásio do SESI-Taguatinga. O encontro será transmitido ao vivo pelo SporTV. Os ingressos custam R$ 20 (meia) na bilheteria do ginásio.

Amanda Campos chegou à Capital Federal em 2015 trazendo na bagagem oito títulos da Superliga vencidos com o Rio de Janeiro, onde passou dez anos da carreira. Desde então, conquistou a torcida brasiliense e é sempre uma das mais solicitadas ao final dos jogos para fotos e autógrafos. A adaptação da ponteira à Brasília é refletida em quadra, onde ela tem esbanjado amadurecimento e vontade, principalmente nos momentos em que o Terracap/BRB/Brasília Vôlei mais precisa, seja no passe, na virada de bola ou mesmo no saque.

Se Amanda não era protagonista com Bernardinho, agora, treinada por Anderson Rodrigues, outro pupilo de Bernardo, é uma das peças-chave do Brasília. Nascida em Recife, a atleta falou um pouco sobre a carreira, a boa fase e as expectativas para mais um reencontro com o Rio de Janeiro. Confira.

Terracap/BRB/Brasília Vôlei – O que mudou para a atleta e pessoa, Amanda Campos, desde que você chegou em Brasília?

Amanda: Eu me sinto mais madura, um pouco mais experiente. Mudar de clube, cidade e ter vivência em quadra me trouxe mais bagagem.

Terracap/BRB/Brasília Vôlei – Você vive um grande momento no Brasília Vôlei, sendo um dos destaques da equipe nesta temporada. Como você está lidando com essa crescente?

Amanda: Nada acontece sem esforço e trabalho. Se hoje meu desempenho está sendo bem reconhecido, graças a Deus, é devido a minha dedicação diária e a busca do melhor em tudo,  me doando 150% sempre. Ser uma atleta em evolução física, técnica, tática e psicológica é o meu foco. Nunca é suficiente pra mim. Estou sempre em busca de crescimento.

Terracap/BRB/Brasília Vôlei – Você enfrentará novamente o Rio de Janeiro. O que mudou da Amanda treinada pelo Bernardinho para a Amanda treinada pelo Anderson Rodrigues, que também é uma das ‘crias’ do Bernardo?

Amanda: Bernardo é um grande mestre, me ensinou muito durante todos os dez grandes anos que fiquei lá. Foi maravilhoso. Apesar de tanto tempo trabalhando junto, nunca é suficiente para aprender tudo que ele tem pra ensinar. O Anderson também é um grande técnico e muito promissor. Claro que ele tem menos experiência como técnico pois está iniciando a carreira agora nessa nova jornada, mas já tem uma personalidade particular de ter pensamentos visionários, coloca sua identidade e dedicação no que faz. É estudioso e teve uma experiência como jogador que dispensa comentários. Ele transfere isso muito bem pra nós. Estou aprendendo demais com ele. Essa evolução que tive também devo muito a ele, que me estimula sempre a dar o melhor e crescer.

Terracap/BRB/Brasília Vôlei – Qual foi o maior aprendizado que você teve em todos esses anos sendo treinada pelo Bernardinho?

Amanda: Que nada vem de graça pra você. Que não adianta apenas sonhar, você tem que acordar todos os dias e ir buscar o que deseja e que nada do que você quer vem sem trabalho árduo, disciplina e foco. Essas, dentre outras grandes lições, aprendi e levo pra sempre na minha vida.

Terracap/BRB/Brasília Vôlei – Apesar do time ter caído de produção no segundo turno, você está contribuindo muito com as viradas de bola, sendo a atacante mais eficiente da equipe pelas estatísticas, além da ótima recepção. No que mais você acredita que pode evoluir?

Amanda: Acredito que posso evoluir em tudo. Independente da colaboração, nunca é suficiente pra mim. Quero melhorar ainda mais, fazer melhor e ajudar a equipe da melhor maneira possível.

Terracap/BRB/Brasília Vôlei – O que você pode dizer do time do Rio de Janeiro? Como parar o líder da Superliga?

Amanda: O Rexona é uma equipe que erra pouquíssimo. Eu já estive lá muito tempo e sei que a filosofia é essa. Ter paciência em trocar bola na hora certa é a frase chave deles. Justamente por isso tentam criar ao máximo de situações difíceis pro adversário, e a troca de bola e os ralis são um jogo de xadrez. Fazer um time que erra pouco, errar, é mais complicado. Por isso acredito que temos que manter sempre o nível de concentração elevado e desenvolver o mesmo mantra de paciência, diminuição de erros e troca de bola que o Rio tem.

Terracap/BRB/Brasília Vôlei – Quais seus objetivos pessoais e coletivos para o restante dessa temporada?

Amanda: Busco sempre dar um passo de cada vez. Meu objetivo pessoal é fazer uma grande temporada e evoluir cada vez mais, se Deus quiser. E a equipe está nessa mesma caminhada, a cada jogo uma batalha, independente do adversário. Hoje nosso objetivo é classificar bem pros playoffs e fazer bons jogos lá e, se Deus quiser, seguir o mais longe possível no campeonato. Ninguém entra num campeonato pra perder e todos sabemos que a estrada é longa e cheia de obstáculos pra todas as equipes. Esporte é isso! Mas isso não pode nos frear e nem vai. O mais importante é saber o que foi bom e ruim em cada jogo, treinar bastante para corrigir erros, aperfeiçoar as qualidades e seguir em frente. Faz parte do processo. Não se pode olhar pra trás, é pra frente que se anda.

 

O Terracap/BRB/Brasília Vôlei é patrocinado pela Terracap, BRB, SESI e Café do Sítio.